Categorias
História do Brasil

O REMORSO DE DOM PEDRO I

O Imperador ao receber a notícia “tremeu e arrancou os cabelos”.

Sugiro que antes de prosseguir nesse leitura, você assista primeiro o vídeo “O maior funeral do Brasil – A morte da Imperatriz Leopoldina”, para que você entenda como a primeira imperatriz do Brasil morreu.

Canal Apaixonados por História

Os sinos badalavam o toque de finados. Os canhões das fortalezas do Rio de Janeiro disparavam de dez em dez minutos. Silenciavam as ruas, sem os gritos das vendeiras ou dos cativos prestadores de serviços, sem o peditório de mendigos, sem o canto dos presos que carregavam água ou dos escravizados carregadores de café.

Vista do Pão de Açúcar, por Charles Landseer

O alemão Carl Seidler registrou, “As faces mudas de dor e desespero dos negros, mulatos, portugueses, ingleses, italianos e alemães. Todos choravam a morte de Leopoldina.”

No Rio Grande, Dom Pedro teve uma premonição sobre a morte de sua esposa. Relatou em uma carta a Marquesa de Santos sobre um célebre sonho que teve no dia 11 de dezembro. Entretanto não sabemos como foi o sonho, pois ele disse a Domitila que contaria os detalhes pessoalmente. Nesse mesmo dia Leopoldina faleceu, Dom Pedro recebeu a fatídica notícia através de uma carta.

Chalaça, seu grande amigo escreveu que o Imperador ao receber a notícia “tremeu e arrancou os cabelos”. Dom Pedro voltou ao Rio de Janeiro imediatamente, para prestar as últimas homenagens a falecida esposa. O imperador esculpiu uma coroa e uma placa de madeira para colocar sobre o caixão da Imperatriz para identificá-la. Além disso escreveu um poema:

A sempre para mim sentida morte da

Minha adorada esposa a Imperatriz

Deus Eterno, porque me arrebataste

A minha muito amada imperatriz?

Tua divina vontade assim o quis?

Sabe que meu coração dilaceraste.

Tu de certo contra mim te iraste,

Eu não sei o motivo, nem que fiz,

E co’aquele direi, que sempre diz:

Tu m’a deste, Senhor, tu m’a tiraste!

Ela me amava c’o maior amor,

E eu n’ella admirava a honestidade;

Sinto o meu coração quebrar de dor.

O mundo não verá n’outra idade

Modelo mais perfeito, nem melhor

D’honra e candura, amor e caridade.

(Poema feito por Dom Pedro para Dona Leopoldina)

Durante o funeral de Dona Leopoldina, Dom Pedro pareceu estar bastante comovido, por diversas vezes amassando um lenço sobre os olhos inchados e lendo um livro de orações. Dona Leopoldina faleceu no dia 11 de dezembro de 1826, prestes a completar 30 anos, seu trigésimo aniversário aconteceria no dia 22 de janeiro de 1827.

Condições de compartilhamento: Permitimos o compartilhamento do texto, ou parte dele, desde que cite a fonte desta forma:
RIBEIRO, Sabrina. O remorso de Dom Pedro I Canal Apaixonados por História – Professora Sabrina Ribeiro, São Paulo, 23 de julho de 2020. Disponível em: https://apaixonadosporhistoriacanal.com/2020/07/23/o-remorso-de-dom-pedro-i/

Dom Pedro I e Dona Leopoldina, por Arnaud Pallière

Em 26 de janeiro de 1827 Dom Pedro enviou uma carta ao pai de Dona Leopoldina, o Imperador Francisco I da Áustria:

Não é por ter sido minha esposa, nem o ser filha de V.M. que me faz dizer, como publicamente digo, que era o modelo da honra, candura, bondade, honestidade e caridade. A minha saudade excede todas as expressões, de que podia usar, e direita a V.M. que ela existe ainda em meu coração, e existirá, até que a morte me faça separar deste mundo, elevando-me (como espero em Deus) ao céu, aonde ela seguramente está colocada. […] Sou amigo de V.M. até por me ter dado uma filha, que fez as minhas delícias, e as de todos os brasileiros durante o pouco espaço de tempo, que entre nós existiu.

(Dom Pedro I em carta ao Imperador Francisco I da Áustria)

Em maio de 1827, na abertura da Assembleia, durante a leitura de sua fala em uma parte em que se referia ao falecimento de Dona Leopoldina, lágrimas correram pelo rosto do Imperador e sua voz enfraqueceu.

Em 23 de maio de 1827, foi realizada uma grande festa de aniversário para Isabel Maria, Duquesa de Goiás, filha bastarda de Dom Pedro com Domitila. Durante a festa, Dom Pedro parecia aéreo, distante e triste. Em um certo momento, o Imperador sumiu e a Marquesa de Santos começou a procurá-lo pelos cômodos do palácio de São Cristóvão. O encontrou em um salão, abraçado a um retrato de D. Leopoldina e chorando.

O Imperador Francisco I da Áustria, por Frederico Amerling

Em julho de 1827, D. Pedro escreveu outra carta ao pai de Leopoldina, o Imperador Francisco I, nela confessava não ter sido um bom marido e pedia perdão ao seu ex-sogro. Escreveu:

“Toda a minha maldade acabou, que de hoje em diante não cairei nos erros em que até agora tenho caído e dos quais todos me arrependo e tenho pedido a Deus perdão, prometendo nunca mais os cometer…”

(Dom Pedro I em carta ao Imperador Francisco I)

Em 1833, 7 anos após a morte de Leopoldina, já na Europa, Dom Pedro ao receber a notícia que sua filha a Princesa Paula Mariana, estava gravemente doente pediu duas coisas, caso sua amada filha falecesse antes de chegar a carta ao Brasil, em suas palavras:

“a primeira é de ter guardado para mim um bocado do seu lindo cabelo a segunda é de ter feito depositar no Convento de Nossa Senhora da Ajuda e no mesmo lugar que se acha depositada sua boa mãe, a minha Leopoldina, pelo qual ainda hoje derramo lágrimas de saudade…” (Dom Pedro I em carta a José Bonifácio de Andrada e Silva)

Princesa Paula Mariana de Bragança (Biblioteca Nacional Austríaca)

Em diversas ocasiões Dom Pedro demonstrou o abatimento de sua consciência e o arrependimento. Além disso Dom Pedro I relatou ter visto o fantasma de Leopoldina no palácio, mas isso é assunto para outro vídeo.

ASSISTA O VÍDEO NO CANAL APAIXONADOS POR HISTÓRIA:

GOSTOU? AVALIE O NOSSO TRABALHO CLICANDO NAS ESTRELAS ABAIXO!

Avaliação: 5 de 5.

FONTES & LIVROS:

REZZUTTI, Paulo. D. Leopoldina: a história não contada. A mulher que arquitetou a Independência do Brasil. Editora: LeYa.

REZZUTTI, Paulo. D. Pedro: O homem revelado por cartas e documentos inéditos. Editora: LeYa.

Por Apaixonados por História - Professora Sabrina Ribeiro

O Canal Apaixonados por História foi criado no dia 11 de janeiro de 2020 pela historiadora, pesquisadora e Professora Sabrina Ribeiro.

O principal objetivo do canal é transmitir a fascinante história do Brasil a todos que são apaixonados por história assim como eu.
Todos os vídeos do canal são produzidos e baseados em fontes e livros que são colocados na descrição dos vídeos.
Nosso objetivo é informar a todos sobre histórias que não aprendemos ou aprendemos muito pouco na escola e no Ensino Médio.
Não defendemos ideologias ou partidos políticos.O canal tem um posicionamento neutro sobre esses assuntos. Nosso foco é informar a História.
Sua opinião será sempre bem vinda, desde que com educação e respeito você a manifeste.

E se você também é um apaixonado por história, não se esqueça de curtir os vídeos e se inscrever no canal. Deixe a sua crítica ou sugestão de vídeos nos comentários. Valorize a história do Brasil e compartilhe os vídeos com seus amigos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s